sexta-feira, 3 de setembro de 2010

Cristão de berço


Certa vez, uma querida irmã recém-batizada, me fez uma pergunta, mais retórica do que propriamente uma indagação: “Pastor, por que algumas pessoas se gabam tanto de ser ‘adventistas de berço’, elas teriam alguma vantagem sobre os que se converteram depois de adultos?”

Boa pergunta. Eu quase fui tentado a parafrasear Paulo, quando se refere à vantagem do judeu, em Romanos 3.2: “Muita, sob todos os aspectos. Principalmente porque aos judeus foram confiados os oráculos de Deus.”

Infelizmente, não pude, pois Deus não confiou qualquer oráculo (revelação especial) a um adventista de berço.

Mas, vamos examinar melhor esse ponto. Haveria algum tipo de vantagem nascer no seio de uma família adventista?

Partindo desta questão, resolvi escolher o tema, “cristão de berço” para tratar nesta nova seção do IASD em Foco.

Vamos ampliar a expressão para “berço cristão”, pois acredito que a situação se repete com irmãos que nasceram membros de outras denominações, especialmente as tradicionais.

Eu estou entre os que nasceram na igreja. Claro, não me refiro ao local geográfico de meu nascimento. Nasci em casa mesmo, quando meus pais já eram adventistas.

Tendo vivido essa condição, afirmo que há pontos muito positivos. E por eles, dou graças a Deus. Meu lar sempre foi um lugar seguro, equilibrado. Meus pais tinham boa noção acerca do ensino bíblico para os filhos. “Ensina a criança no caminho em que deve andar, e, ainda quando for velho, não se desviará dele” (Provérbios 22:6). E aqui estou eu, já vivendo na “fase da experiência”, sempre firme nos caminhos do Senhor.

A meu ver, além de outras, esta é uma das razões mais fortes pelas quais foi maravilhoso ter nascido num lar cristão.

Espere, nem tudo são flores maravilhosas no caminho de “cristão de berço”. Infelizmente, há espinhos. E muitos!

E agora vou me dirigir principalmente àqueles que, como eu, nem sempre tiveram a oportunidade de vivenciar a experiência marcante de uma radical mudança de vida, um novo nascimento; ter um dia especial, grifado no calendário, em que pudesse dizer: aqui tive um encontro real com meu Salvador.
Novo Nascimento! Sim, o cristão de berço precisa passar por ele. Não é uma experiência transmitida geneticamente pelos pais. Novo nascimento é uma condição individual e inegociável para a entrada no reino de Deus.

Mas, parece que falar em novo nascimento é assunto para novos conversos, não para quem viveu a vida toda dentro da igreja.

Eu também pensei assim durante muito tempo. Costumava dizer: “Claro que nasci de novo! Fui batizado nas águas em 13 de dezembro de 1958” (já estou quase contando minha idade).

Aquele foi um dia muito especial na minha vida, mas hoje compreendo que não foi uma experiência real de novo nascimento. Sequer entendia direito o que era isso. Participei de uma classe batismal, aprendi as principais doutrinas da igreja, li um livro da Sra. White. Estava preparadíssimo para “nascer da água e do Espírito”. Bem, da água certamente, mas... também do Espírito?

Sei que você conhece muito bem o capítulo 3 do Evangelho de João, mas faz bem recapitular o que aconteceu naquela entrevista noturna que Nicodemos teve com Jesus. Vamos sublinhar o verso 3: “A isto, respondeu Jesus: Em verdade, em verdade te digo que, se alguém não nascer de novo, não pode ver o reino de Deus.”

Entendeu? Não pode ver o reino de Deus sem o novo nascimento.
O assunto está ficando interessante. Ou você nunca tinha pensado muito a esse respeito?

Algumas vezes, após contar um pouco de meu testemunho pessoal acerca do novo nascimento, pessoas me abraçavam na porta da igreja e me diziam: “Pastor, você contou a minha história e não a sua”.

Querido leitor, leitora, se você nasceu em berço cristão e nada tem a ver com essas ponderações, considere-se alguém muito abençoado, pois a maioria dos cristãos de berço que eu conheço, um dia teve de encarar a realidade de que pertencer a uma igreja desde a infância, não garante, absolutamente, sua entrada no reino de Deus.

O tema pode ainda render muito e teremos oportunidade de fazer aqui diversas reflexões pertinentes à vida espiritual dos cristãos de berço. Por agora, basta lembrar que sem novo nascimento, você não pode ver o reino de Deus, muito menos fazer parte dele.

Ore e peça ao Espírito Santo que mostre claramente a situação espiritual que você vivencia hoje. Se Ele disser que você ainda não nasceu de novo, principalmente “do Espírito”, acredite que Ele está mesmo falando a verdade.

Então, clame, insista, suplique que Ele proporcione a você essa experiência tão necessária, tão rica, tão maravilhosa, através da qual Jesus nos promete “vida e vida em abundância” (João 10:10 up) aqui e agora. Tal como diz a letra de um cântico dos Arautos do Rei, o Céu começa aqui.

autor: Wilson Almeida

Nenhum comentário:

Postar um comentário